Archive for the ‘Família’ Category

Mamãe está grávida, de novo!

Novembro 11, 2009
Grávida

Stela (mãe), Lelê (filha) e o meninão que está chegando!

A chegada de outro bebê a uma família onde já existe uma criança sempre traz uma tensão de drama e ciúmes para a vida familiar. A pedidos de uma leitora e colega muito especial, Stela Romano, neste post vamos falar sobre a chegada do primeiro irmão a uma família, e como lidar com seus filhotes enciumados.

Para nós educadores, é evidente a mudança de comportamento de uma criança que está para ganhar um irmão ou uma irmã. Mesmo as crianças mais “bem resolvidas”, como gostamos tanto de categorizar as pessoas que não aparentam problematizar muito as coisas, sentem-se extremamente abaladas em algum momento com a chegada de uma nova criança. Sentem-se substituídas, confundem a apreciação pelo outro com rejeição de si. O sentimento de que o mundo de repente não está mais em sintonia com as suas ações, mimos e vontades, sendo estes saudáveis ou exagerados.

As reações são diversas e não muito classificáveis, mas aqui vão algumas dicas que podem te ajudar a preparar o seu filho da melhor forma possível para esta situação:

– A primeira coisa a ser feita é contar ao filho mais velho, mostrando à ele que pode e deve se entusiasmar com você. Se você ficar preocupada, tensa e com medo de contar-lhe, ele pode acabar descobrindo. As crianças têm uma grande capacidade de captar as coisas “no ar”, elas sabem se o ambiente esta tenso e estão atentas às suas palavras e conversas. Evite este tipo de situação, pois você pode perder momento certo e a oportunidade de dividir isto com ele. A verdade é sempre a melhor saída.

Grávida– Envolva o seu filho na espera do bebê. Assim você pode incluí-lo em alguma etapas deste processo, por exemplo, mostrando-lhe as fotos do ultra-som ou pedindo ajuda quando for comprar alguma coisa para o bebê. Faça-o sentir que a sua colaboração é essencial.

– Torne deste tempo, uma fase animada para ele. Ajude o seu filho a sentir-se entusiasmado porque esta crescendo. Dê-lhes novos privilégios e “criança grande”, você pode estabelecer novos horários e atividades para ele, por exemplo: por ser mais velho agora ele pode ir sozinho com o pai, ou só com a mãe, uma vez por semana, tomar sorvete. Um tempo que é só dele com os pais (ou só com um dos dois).

– Se você está pensando em dar coisas do seu primogênito ao bebê que está chegando, faça com que primeiro, antes da chegada do bebê, ele “decida” dar estas coisas. Você pode conversar com ele e contar histórias de crianças maiores que ajudam seus irmãos mais novos dando à eles aquilo que não precisam mais porque agora já são mais velhos. As histórias não são a única opção, você pode fazer isso de diversas formas, o mais importante é que a decisão seja da criança.

– Na chegada do bebê, certifique-se de que a rotina do seu filho não seja abalada. Se precisar, peça ajuda de outros, mas principalmente nos primeiros dias, ele não pode se sentir esquecido. Explique como é difícil para o bebê a sua “chegada ao mundo” quando for para o hospital, e peça para que ele faça algum presentinho para o bebê, assim você o inclui nesta hora que ele não pode vivenciar com você.

O bebê que está chegando é um presente para toda a família, você vai ver!

Anúncios

Palmada no Bumbum?

Agosto 25, 2009

PalmadaCrianças: seres doces e amáveis com os quais nós tanto gostamos de nos relacionar e estar junto. Do jeitinho que eles são nos fazem querer estar mais perto, nos movem de maneira que passamos a querer ser mais e nos admiram fazendo-nos crecer… Trocamos momentos de aprendizagem, carinho, dificuldade, desenvolvimento e tantas outras coisas que nos fazem criar laços mais fortes do que um simples contrato entre aluno e professor.

Mas todo educador tem estocadas, em uma de suas prateleiras da mente, histórias divérsas sobre situações nas quais esses pequeninos têm algo a dizer em algum momento descabido ou inesperado, quando ainda estão aprendendo a nos testar e acima de tudo estão quando estão aprendendo as relações de autoridade que existem em seu mundo. O cuidado que temos que ter neste momento é com a seguinte situação: Crianças também manipulam e gostam de mandar nos outros e em si mesmas!

Toda criança passa por sua fase desoediente quando não aceita nenhuma instrução dos adultos e regras sociais ao seu redor. Pode ser apenas uma fase se for tratada com correção, ou pode se tornar um problema de personalidade se vista com descaso.

Que a criança precisa ser corrigida todos sabemos, mas como corrigir é aonde mora a dúvida.

Fabiana é um pedagoga que trabalha com a educação infantil e tem um filho de 4 anos, em uma de nossas conversas sobre correção ela disse: “Sabe, eu acho que as vezes até exagero, meu filho reclama muito quando eu berro e chega até a ficar assustado. Mas eu cumpro com minha palavra, dou castigo, palmada e tiro alguns privilégios se for preciso, sinto dó, mas ele me respeita porque sabe que eu cumpro” – Essa atitude é uma atitude difícil de ter mas muito respeitável. Quando somos firmes cumprindo com a punição em casos de desrespeito e desobediência, também estamos permitindo reflexões e o desenvovimento da consrução de valores.

Laura é psicóloga e tem dois filhos, um de 5 anos e outro de 1 aninho. Quando nos ouviu conversando sobre “palmadas”, Laura nos contou sobre sua experiência com seus filhos também: “Olha, as vezes meu menino mais velho me dá muito trabalho, mas eu sinto que ele não liga de ser castigado. É que eu tenho dó sabe? Quando chega na hora de fazer o que falei que ia fazer eu acabo não fazendo”

Cada mãe tem sua vivência e também seus próprios filhos. Nós que assistimos de fora, como educadores, tios, avós, amigos, padrinhos, primos e etc, achamos que entendemos bem a situação. Mas afinal de contas – Devemos ou não dar umas palmadas em situações de necessidade?

Para quem quer saber mais:

http://ajudaemocional.tripod.com/rep/id86.html

http://www.espacoacademico.com.br/042/42lima.htm

http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u3629.shtml