HO HO HO!

Novembro 24, 2009

Estamos chegando perto do Natal, já estamos cheios de preparativos, expectativas, ansiedade e tudo aquilo que temos direito!

Se você pensa como eu, sua casa já está enfeitada e você está contando os dias pra chegar Dezembro e a grande contagem regressiva. Todo ano é a mesma coisa, mas todo ano nós adoramos fazer isto. Desentendimentos de família a parte, esta é uma festa que tende a unir as pessoas. Parece que os presentes, as canções e muitas comidas conseguem amolecer nossos corações para dividir momentos especiais como nem sempre conseguimos no dia-a-dia.

A história de Jesus e a sua importância na fundamentação de valores essenciais para a sociedade, são alguns fatores que nos comovem e nos fazem lembrar, até hoje, do dia em que nasceu o menino Jesus. O dia em que nasceu o dia que iria para sempre unir as pessoas, que felizes comemoram a vida.

Uma idéia legal pra curtir a sua espera e dos seus pequeninos, tanto na escola quanto em casa, é o Calendário de Natal que conta regressivamente os dias pro Natal. Você pode colocar chocolates nos bolsinhos deste calendário em cada dia do mês, ou até mesmo colocar pistas e esconder cartinhas e brindes pela casa, ou pela escola.

Eu já coloquei o meu na parede! Vamos contar juntos?

Dica do Mês

Novembro 19, 2009

Andando pelo Shopping Market Place, resolvi dar uma passadinha na Livraria Cultura. Em menos de cinco minutos lá dentro, lá estavamos eu e meu namorado sentados no chão perto das prateleiras infantis, trazendo livros e mais livros para dentro dos nossos colos.  Um destes livros foi o seguinte: “Coisas Maravilhosas Para Aprender, Fazer e se Divertir” – É um livro ótimo para inspirar professoras que precisam desenvolver idéias de projetos e curiosidades que podem ser construídas pelas crianças.

O livro sugere atividades, receitas, maneiras ecológicas de fazer as coisas e até primeiros passos de como tocar violão. Gostei muito deste produto, é um material muito criativo. O livro é direcionado para meninas, mas acredito que toda professora tem uma menina linda e louca para se expressar artísticamente para o mundo dentro de sí.

Esta é a sinopse do site da Livraria Cultura: “Com o apoio de ilustrações explicativas, a autora mostra o passo a passo de várias coisas como por exemplo, tirar as primeiras notas do violão, costurar uma saia ou dobrar origamis. O livro também estimula o desenvolvimento de competências que acompanharão as meninas para o resto da vida, como pintar em vidro, fazer patchwork, assar pão integral ou até mesmo escrever e trocar cartas com amigas, resgatando o charme da comunicação tradicional em plena era do MSN e do Twitter.”   

Vale a pena conferir!

Diversão Sem Desperdício

Novembro 16, 2009

Estamos finalizando nosso projeto sobre meio ambiente deste semestre. Meus alunos irão confeccionar suas próprias camietas da ONG que montaram, sim eles montaram uma ONG!! Foi conversando com outra pedagoga que cheguei à um processo muito divertido e ecológico sobre como fazer esta camiseta sem gastar tinta e utilizando materiais que pudessem ser reaproveitados. Chegamos ao seguinte produto: Vamos fazer uma camiseta estampada usando o papel lixa!

Não entendeu? Vou explicar melhor…

Para fazer isto você vai precisar de: Uma folha lixa A4, giz de cera, uma camiseta branca e um ferro de passar.

– Primeiro você deve desenhar algo no lado aspero da folha, desenhe com bastante força

– Depois você coloca o papel por baixo da camiseta (que está no lado avesso) posicionando o desenho aonde você deseja ter a estampa.

– Finalmente, passe o ferro quente sobre a camiseta e…

– Voilá! Agora, além de poder guardar o papel lixa para outros fins e uma camiseta estampada com seus próprios desenhos, você tem suas crianças se divertindo sem desperdício.

Mamãe está grávida, de novo!

Novembro 11, 2009
Grávida

Stela (mãe), Lelê (filha) e o meninão que está chegando!

A chegada de outro bebê a uma família onde já existe uma criança sempre traz uma tensão de drama e ciúmes para a vida familiar. A pedidos de uma leitora e colega muito especial, Stela Romano, neste post vamos falar sobre a chegada do primeiro irmão a uma família, e como lidar com seus filhotes enciumados.

Para nós educadores, é evidente a mudança de comportamento de uma criança que está para ganhar um irmão ou uma irmã. Mesmo as crianças mais “bem resolvidas”, como gostamos tanto de categorizar as pessoas que não aparentam problematizar muito as coisas, sentem-se extremamente abaladas em algum momento com a chegada de uma nova criança. Sentem-se substituídas, confundem a apreciação pelo outro com rejeição de si. O sentimento de que o mundo de repente não está mais em sintonia com as suas ações, mimos e vontades, sendo estes saudáveis ou exagerados.

As reações são diversas e não muito classificáveis, mas aqui vão algumas dicas que podem te ajudar a preparar o seu filho da melhor forma possível para esta situação:

– A primeira coisa a ser feita é contar ao filho mais velho, mostrando à ele que pode e deve se entusiasmar com você. Se você ficar preocupada, tensa e com medo de contar-lhe, ele pode acabar descobrindo. As crianças têm uma grande capacidade de captar as coisas “no ar”, elas sabem se o ambiente esta tenso e estão atentas às suas palavras e conversas. Evite este tipo de situação, pois você pode perder momento certo e a oportunidade de dividir isto com ele. A verdade é sempre a melhor saída.

Grávida– Envolva o seu filho na espera do bebê. Assim você pode incluí-lo em alguma etapas deste processo, por exemplo, mostrando-lhe as fotos do ultra-som ou pedindo ajuda quando for comprar alguma coisa para o bebê. Faça-o sentir que a sua colaboração é essencial.

– Torne deste tempo, uma fase animada para ele. Ajude o seu filho a sentir-se entusiasmado porque esta crescendo. Dê-lhes novos privilégios e “criança grande”, você pode estabelecer novos horários e atividades para ele, por exemplo: por ser mais velho agora ele pode ir sozinho com o pai, ou só com a mãe, uma vez por semana, tomar sorvete. Um tempo que é só dele com os pais (ou só com um dos dois).

– Se você está pensando em dar coisas do seu primogênito ao bebê que está chegando, faça com que primeiro, antes da chegada do bebê, ele “decida” dar estas coisas. Você pode conversar com ele e contar histórias de crianças maiores que ajudam seus irmãos mais novos dando à eles aquilo que não precisam mais porque agora já são mais velhos. As histórias não são a única opção, você pode fazer isso de diversas formas, o mais importante é que a decisão seja da criança.

– Na chegada do bebê, certifique-se de que a rotina do seu filho não seja abalada. Se precisar, peça ajuda de outros, mas principalmente nos primeiros dias, ele não pode se sentir esquecido. Explique como é difícil para o bebê a sua “chegada ao mundo” quando for para o hospital, e peça para que ele faça algum presentinho para o bebê, assim você o inclui nesta hora que ele não pode vivenciar com você.

O bebê que está chegando é um presente para toda a família, você vai ver!

Mãos à Obra!

Novembro 5, 2009

RecicladoNo começo do mês de setembro, em uma aula sobre poluição, expliquei aos meus alunos como é feito o papel. Depois de terem entendido que uma árvore demora muito mais tempo para crescer do que o papel para ser feito, com a ajuda de outra pedagoga, colocamos dentro da sala de aula uma caixa aonde estava escrito “Reciclando Papel”, onde as crianças poderiam depositar os “restos” de papel após suas atividades de recorte. 

Isso contribuiu, em primeira mão, com a concientização ecológica dos alunos. Ao verem a quantidade de papel que jogamos no lixo todos os dias, eles entenderam a gravidade do problema discutido em aula. Toda semana nós tinhamos que pressionar mais e mais o papel dentro da caixa para que coubesse mais papel.

LixoAproximadamente um mês depois, cortamos aquele papel em pedaços realmente pequenos, juntamos tudo e experimentamos a reciclagem daquele material. Foi uma experiência riquíssima e super positiva. Para você ter uma idéia, imagine crianças de cinco anos, reciclando papel…  Fizemos uma meleca sem tamanho! As crianças sentiram que são capazes de contribuir e, ainda melhor que isso, conseguiram reciclar o papel.

Além de ser um processo extremamente divertido para as crianças, a experiência da reciclagem permite que elas se preocupem mais com o consumo de papel, tomando mais cuidado na hora de usá-lo.

Imagine só o que estas crianças podem fazer pelo planeta quando crescerem!

 Nós fizemos isso usando a seguinte receita:

– Papel picado

– Água

– Cândida

Coloque o papel picado no liquidificador (até a metade do copo do liquidificador), adicione dois copos de água e bata até ficar homogêneo (se precisar, adicione mais água). Adicione a cândida e bata mais um pouco, depois retire excesso de água. Após um minuto, estique um pedaço de magipack sobre a mesa e jogue a mistura em cima. Com um pano você pode amassar a mistura. Passe um rolo compressor por cima do pano (que está esticado sobre a mistura) e deixe secar por três dias, no sol.

Viu só? Nem adianta dizer que é difícil, qualquer um pode reciclar!

Quer saber mais sobre o assunto?

www.ecoblogs.com.br

Abolindo o Copinho Plástico

Novembro 5, 2009

CopoEstou auxiliando meus alunos, durante este semestre, no desenvolvimento de um projeto sobre meio ambiente que chamamos de “Salvando o Planeta”. Já estamos na reta final desta jornada, mas tenho diversas histórias estocadas para dividir sobre as nossas vivências.

Uma delas é a medida que tomamos, como classe, de abolir os copinhos plásticos pensando na sustentabilidade. Tudo começou há algumas semanas, na escola onde trabalho, quando discutia com as minhas crianças sobre o tema “Consumo Consciente”.

Estavamos tentando criar algumas maneiras de contribuir com as nossas ações na escola. Aos poucos novas idéias foram surgindo até que chegamos à decisão de que durante a semana as crianças deveriam usar apenas um copinho plástico para tomar água, para evitar o desperdício.

Com o passar do tempo, percebemos que aqueles copinhos iam estragando e mesmo sendo lavados não conseguiamos mantê-los por muito tempo. Foi então que surgiu a solução: vamos trazer um copo de casa!

Cada criança trouxe seu copo e aos poucos foi se tornando mais natural a utilização do copo em diferentes momentos, até que finalmente tomar água com o seu próprio copo se tornou um hábito.

Além de significar um gasto a menos para a escola, esta medida não estimula apenas o não desperdício mas também a sustentabilidade. O público infantil é muito amplo e aberto para este assunto, precisamos fazer a nossa parte para que eles desenvolvam uma responsabilidade social e ambiental.

Esta é uma dica simples, mas muito eficaz!

Para quem quer ir além:

www.ecoblogs.com.br

 

Em Dia Com a Vida!

Novembro 3, 2009

O final do ano está chegando!

AbacadaPara nós educadores ele chega cheio de prazos, reuniões, ensaios, preparações e muito stress! É muito difícil manter o ritmo sem prejudicar a própria saúde, afinal de contas algumas de nós ainda estão estudando, outras têm filhos e outras ainda têm mais do que um emprego. Isso significa que além de nossos alunos, temos milhões de outros prazos, obrigações e metas para atingir antes da virada final de 2009 para 2010.

Não tenho nenhuma formula milagrosa de como resolver todos os seus problemas em 5 dias, mas com certeza podemos pensar em algumas maneiras de lidar com a correria, sem ter que deixar de dormir para fazer tudo. Afinal de contas stress e criança é uma combinação terrível, e não queremos passar isso para os nossos alunos, não é mesmo?

Mãos à obra!

Algumas dicas de como manter a vida em dia:

– Estabeleça prazos no começo do semestre.

42-17422031Sejam eles para a sua família, trabalho, estudos ou qualquer coisa. Sente com calma no começo de cada semestre e estabeleça metas, aonde você tem que chegar e como vai dividir suas tarefas com o tempo que você tem. Crie um Calendário anual e deixe-o à vista, para não ter que deixar nada além do acaso para a ultima hora.

– Não perca suas noites!

No começo do caos a primeira reação de todos nós é começar a transferir as atividades para a noite! Mas preste bastante atenção, quando ficamos sem dormir, não rendemos bem durante o dia, o que significa que muito provavelmente você comece a trocar o seu rendimento do dia pelo rendimento da noite! Dai você perde seu sono e também seu rendimento. Pense em maneiras de reaproveitar seu tempo. Pare um pouco de assistir novelas e tome algumas horas dos finais de semana, aos poucos você chega lá!

– Abra mão do que não é necessário. 

Nesta ultima semana, deparei-me com as seguintes ocupações: seminários e provas da faculdade, emprego, trabalhos de free lancer, este blog e uma matéria que faço pela Internet!!! Não dá! O mundo não cabe dentro do nosso abraço. É muito importante seguir seus sonhos e trabalhar duro pra isso, mas não se perca no processo, lembre-se de seus objetivos iniciais e abra mão de uma das milhões de coisas que você faz se for preciso.

 – Tenha um descanso significativo!

Seu tempo de descanso é pequeno? Torne-o produtivo de forma que naquele tempo você consiga descansar sem ter mais preocupações ou atividades atrapalhando o seu sono. Deixe tudo de lado, aperte o “pausa”, e sossegue um pouco. Você quer alcançar suas metas, mas você precisa muito de um corpo saudável para isto!

– E por último, CALMA!

O ano está quase terminando, você vai conseguir…

O Haiti é Logo Ali!

Outubro 28, 2009
haiti

Crianças haitianas em seus melhores trajes, nos recebendo em sua Igreja.

Foi andando pelos imensos corredores do Aeroporto Internacional de Guarulhos, levando meu namorado ao portão internacional que tinha como destino final o Haiti, que pensei neste Post.

Estava me lembrando da minha visita à esta ilha, que por uma ironia do destino se encontra no Caribe, em agosto de 2007. Vieram a minha mente alguns rostos muito nítidos, os rostinhos das crianças que conhecemos e do contato tão rico que pude ter com elas.

Lembro-me de estar andando por um das vielas de Port-Au-Prince, numa tarde mais do que ensolarada, nosso caminho passava por uma escola, uma casa vazia e toda quebrada, os destroços das mesas e cadeiras na entrada pareciam fazer parte da decorção de tão fixos que eram, pareciam estar ali há anos. Também não pude evitar o sentimento de ser o centro das atenções, os olhinhos das crianças pareciam não entender minha cor, a cor dos meus cabelos, minhas roupas e outras coisas… Mas não precisei de muito auxílio para atravessar esta barreira. Com apenas algumas palavras (e um tradutor!!) consegui juntar um grupo de aproximadamente 3o crianças que estava perambulando pelas ruas.

Fiquei sem entender a facilidade com a qual conseguimos reuni-las na ali. Eu não tinha nada nas mãos, não estava distribuindo folhetos, brindes ou nada do tipo. Não estava cantando, nem o meu violão eu tinha comigo, e com certeza naquele calor e nas condições em que estava hospedada, também não foi a minha beleza que os atraiu.

Mas mesmo assim elas se juntaram e ficaram esperando, querendo saber quem eu era, o que eu tinha pra dividir, qualquer coisa. Queriam qualquer coisa. Ao juntá-las, contei-lhes uma história da bíblia que minha mãe me contou quando eu era criança. No final da história, ninguém parecia cansado, e os olhos ainda eram fundos e agora cheios de expressão, pareciam querer me contar mais e mais.

Foi muito difícil para mim esta viagem. O tempo não parecia ser nem perto de suficiente! Mais tarde naquele dia, brincamos junto com as crianças e eles passaram a tarde brincando na nossa porta, tão próximos e tão distantes. A minha história com aquelas crianças acabou naquela mesma semana, mas fico pensando como aquilo pareceu acrescentar tanto à minha vida, e também à delas.

Não sei dizer ao certo se foi neste dia que nasceu a minha paixão pela educação, mas posso sim contar que aqueles olhos são a grande motivação do meu empenho em relação ao entendimento pleno de uma prática pedagógica que marca, e traz esperança.

O Haiti é um país que sofre com os diferentes problemas causados pela miséria e pobreza. A água limpa é um luxo, comida é banana, a rua e o lixo se confundem e a carência não é de dinheiro, é de tudo. É um lugar cheio de pessoas na busca de uma esperança que os salve daquele enorme vazio econônomico e social. Só quem já esteve lá, pode descrever o que há e te faz querer voltar.

Algumas notícias sobre o Haiti:

“Segundo o Ministério da Saúde e da População haitiano, a duração média de vida dos habitantes do país é agora bastante mais alargada do que há 50 anos. As autoridades sanitárias de Port-au-Prince dizem que em 1950 a média de idade dos homens no Haiti era de 36 anos, enquanto hoje se eleva aos 50. As mulheres também passaram dos então 39 anos de média de vida para os actuais 56. Os dados sobre a alfabetização no país também são positivos e registam um nítido crescimento. Basta pensar que, ainda em 1950, os analfabetos constituíam 90 por cento da população, percentagem que desceu para os actuais 50 por cento.”

http://www.audacia.org/cgi-bin/quickregister/scripts/redirect.cgi?redirect=EEuyVZpAkyEvjBEiAc

“As crianças nascidas no Haiti têm maiores probabilidades de morrer durante a primeira infância do que em qualquer outro país do hemisfério Ocidental, segundo “A infância em perigo: Haiti”, um relatório lançado hoje pela UNICEF.

‘Há poucos lugares no mundo onde é mais difícil ter uma infância saudável do que no Haiti,” declarou Adriano González-Regueral, Representante da UNICEF no Haiti. “A percentagem de crianças da América Latina e Caraíbas que nasce no Haiti é de apenas 2%, porém, neste país morrem 19% das crianças menores de cinco anos de toda a região. É de longe a maior taxa de mortalidade de menores de cinco anos da região, com 117mortes por cada 1.000 nascimentos’.”

http://www.unicef.pt/artigo.php?mid=18101112&m=3&sid=1810111216

Violência Infantil

Outubro 22, 2009

ViolênciaA violência é uma palavra que se expressa em diversas ações, sendo elas verbais ou físicas. Infelizmente a violência se expressa também dentro da Educação Infantil, partindo de professores, educadores e também das próprias crianças.

Quando a violência é expressa pelo professor, normalmente ela acontece de forma verbal, afinal de contas um professor que não sabe “encostar” de maneira apropriada nos alunos, sem machucá-los ou ofendê-los, não permanece por muito tempo nesta profissão. Essa violência verbal acontece contra a criança de maneira que por algum motivo de frustração: falta de atenção, comportamento aparentemente ou de fato inadequado, agressividade iniciada por parte do aluno e diversos outros motivos o professor assume uma atitude agressiva.

Professora Brava

Muitas vezes o professor se frustra com a não produção de um aluno, essa frustração vai gerando no professor uma atitude de pré estabelecimento em relação às expectativas que tem da produção do aluno. Quanto mais este processo se desenrola, mas raiva isto gera no educador. É aí que temos que tomar cuidado, pois todos nós professores temos que lidar com situações como estas em algum momento, é preciso entender a criança com um olhar mais alto do que o nível aonde ela está, e entender que nós podemos colaborar para que ela mude, instruindo-as por caminhos onde esta sempre sinta-se capaz de desenvolver o que colocamos em nossas propostas de aula.

Quando um aluno ouve do professor que não sabe fazer algo direito, quando leva uma bronca onde o professor expõe sua opinião de forma negativa na frente dos outros ou quando se sente deixado de lado pelo professor que está muito ocupado cuidando de outros alunos, este aluno passa a ter raiva e medo deste professor. Isto é violência contra a criança, e temos que ficar atentos, sabendo que isto não deve nem pode acontecer.

Outro tipo de violência que pode acontecer é chamada de BULLYING,”este termo compreende todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outros, causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. Portanto, os atos repetidos entre os alunos e o desequilíbrio de poder são as características essenciais, que tornam possível a intimidação da vítima.”

Dentro da educação infantil esta não é uma realidade gritante, mas o bullying pode entrar na educação infantil a partir do momento que ele anda em ciclos. Muitas vezes os pais destas crianças são violentos, porque sofreram de ou causaram o bullying, e provocam uma atitude violenta para com os colegas por parte da criança. Também temos que lembrar do contato que as crianças mais novas têm com as mais velhas (onde o bullying ocorre), e a vontade e admiração que as motivam a agir igual. Assim, temos que tratar com muito cuidado, e desenvolver com paciência casos de violência entre as crianças, deixando muito claro que esta atitude é errada. Podemos usar também de diferentes ferramentas para unir as crianças e fazê-las agir de maneira que sempre se entendam como iguais.

A violência contra a criança é crime, e nós educadores temos que lutar pela segurança de nossas crianças. A violência na rua, dentro de casa ou na escola pode mudar a vida de um ser humano, marcando-o negativamente de maneira que cause danos psíquicos e/ou físicos!

Ooops!

Outubro 14, 2009

Ooops!

StudyPor conta dos muitos estudos da faculdade, as provas, os seminários e também, acima de tudo e infelizmente, algumas complicações nas minhas condições de saúde os posts sofreram um grande atraso. Voltamos a nossa rotina normal de atualização à partir do dia 19 de Outubro, segunda-feira! Por favor acompanhe-nos e deixe também neste post a sua sugestão de assuntos interessantes ou dúvidas em relação à Educação Infantil.

Obrigada,

Aline Lucas Costa